O que é imunoglobulina? Quais os tipos? Resultados e tratamento.

Imunoglobulina é o nome dado aos nossos anticorpos. Na realidade, elas se constituem como moléculas de glicoproteína produzidas pelos plasmócitos como uma resposta a um imunógeno.

Sua atuação está relacionada com o combate aos organismos invasores do nosso organismo, tais como os vírus e as bactérias. Conheça:

  • Seus tipos,
  • Exame de imunoglobulina,
  • Resultados irregulares no exame,
  • Tratamento.

Confira!

Funções e tipos de imunoglobulinas

O que é imunoglobulina? Quais os tipos? Resultados e tratamento.

As imunoglobulinas (ou anticorpos) são responsáveis pela defesa do organismo, atuando de maneira direta sobre os microrganismos invasores que podem provocar diversas doenças e infecções.

De importância vital, as imunoglobulinas circulam no sangue e realizam uma variedade de funções, influenciando de maneira significativa o equilíbrio do sistema imunológico.

Cada tipo de imunoglobulina merece ser destacado, assim como suas tarefas específicas:

  • Imunoglobulina G (IgG): é o tipo de anticorpo predominante no sangue humano que atua na neutralização das toxinas lançadas pelos agentes externos.

Esse tipo de anticorpo é muito importante nos processos inflamatórios.

  • Imunoglobulina E (IgE): é o anticorpo que age nos processos alérgicos,
  • Imunoglobulina D (IgD): tem como função principal a ativação das células que protegem o seu organismo,
  • Imunoglobulina M (IgM): é um tipo de anticorpo que age como um receptor de antígenos, isto é, combate rapidamente o causador de doenças – a análise permite que se identifique o estágio de determinadas patologias,
  • Imunoglobulina A (IgA): está presente nas secreções de nosso corpo, como, por exemplo, lágrimas, suor, saliva, entre outros, tendo a função de proteger esses locais através das mucosas.

O que pode afirmar é que as imunoglobulinas como um todo possuem a tarefa de proteger o organismo contra qualquer invasor, seja ele vírus, bactéria, toxina ou substâncias que são formadas durante inflamações ou quando células são destruídas.

Exame de imunoglobulina

O exame de imunoglobulina é um procedimento que visa diagnosticar e verificar a forma que o sistema imunológico está respondendo no seu organismo, com o intuito de:

  • Avaliar o nível de proteção contra um microrganismo específico;
  • Diagnosticar a razão pela qual ocorreu a rejeição de um órgão transplantado ou de uma reação transfusional;
  • Diagnosticar um distúrbio autoimune;
  • Diagnosticar uma alergia;
  • Documentar a exposição a algum agente infeccioso;
  • Monitorar a evolução de um processo autoimune;
  • Monitorar a evolução de uma infecção.

A análise se dá a partir de uma amostra (geralmente de sangue) que mostra a presença de um anticorpo – chamado de exame qualitativo – ou para que se meça a quantidade de uma imunoglobulina – exame quantitativo.

Dependendo da possibilidade e do seu caso, o médico pode solicitar a análise de todos os tipos de imunoglobulina ou então de somente uma (s).

Os resultados dos exames de anticorpos não possuem valores de referência padronizados, até porque cada laboratório e/ou hospital estipulam suas próprias tabelas para avaliação.

Cabe ainda lembrar que cada pessoa produz anticorpos em quantidades diferentes, o que dificulta ainda mais qualquer definição de referência.

Sendo o médico a pessoa mais capacitada para observar os resultados do seu exame de imunoglobulina, é provável que ele diga se os seus níveis estão altos, normais ou baixos. Níveis altos de imunoglobulinas podem indicar determinadas patologias – veja de acordo com o tipo de anticorpo:

  1. IgG: desequilíbrio nos níveis pode estar relacionado com infecções no tecido nervoso, por exemplo;
  2. IgE: aponta que há reações alérgicas a algum elemento externo;
  3. IgD: doenças autoimunes;
  4. IgM: resultado positivo afirma que a infecção é recente, enquanto que negativo é indicativo de infecção antiga ou que você está protegido(a) contra uma doença graças a vacinas tomadas;
  5. IgA: doenças que a afetam as mucosas, como cirrose hepática, câncer, doenças inflamatórias do intestino, infecções crônicas, alcoolismo, etc.

Níveis baixos de IgA em geral quer dizer que há defeitos nos glóbulos brancos, o que sugere problemas como leucemia, mieloma de IgG, doença celíaca, deficiência imunológica, entre outras.

O IgG e o IgM são analisados em conjunto, pois o IgM é produzido na fase aguda da infecção e o IgGpe mais específico, tendo como responsabilidade a proteção da pessoa de futuras infecções. Os resultados desses dois anticorpos devem ser muito bem analisados pelo médico, pois:

  • IgG negativo (não reagente) e IgM negativo (não reagente) indicam que não houve contato com o patógeno, podendo ser suscetível à doença;
  • IgG negativo e IgM positivo sugerem infecção aguda;
  • IgG positivo (reagente) e IgM positivo (reagente) são sinais de infecção recente;
  • IgG positivo e IgM negativo demonstra que a infecção é antiga (de meses ou anos) ou que a vacina foi bem-sucedida, estando a pessoa protegida da doença.

Lembre-se que somente o médico deve interpretar o seu exame e definir um tratamento, está bem?

Tratamento para desequilíbrio de imunoglobulinas

O que é imunoglobulina? Quais os tipos? Resultados e tratamento.

Regularizar os níveis das imunoglobulinas está diretamente associado com o agente causador deste desequilíbrio. Nesse caso, o médico apostará em um tratamento que melhore a causa do problema para depois realizar novos exames e conferir se houve melhora nos anticorpos.

Por exemplo, no caso do IgE – que é o anticorpo que atua nos processos alérgicos – é recomendado que a pessoa evite o contato e/ou consumo do agente que provoca a alergia. Esse agente pode ser o pó ou até mesmo um alimento.

Siga as orientações do seu médico para garantir uma boa saúde e tome atitudes conscientes em relação ao seus hábitos diários e estilo de vida.


Ajude a melhor ainda mais o site, avalie:

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (No Ratings Yet)
Loading...

Leave a Reply